Europa

Regiões italianas da Lombardia e Veneto vão realizar referendo sobre autonomia 

Os prefeitos das cidades são líderes da Liga do Norte, partido contrário à migração e ao euro

Por AFP
21/04/2017 - 12h26min
Compartilhar:
Veneto é considerado como a região rica e industrializada 
Veneto é considerado como a região rica e industrializada  Foto: OLIVIER MORIN / AFP

As prósperas regiões do norte da Itália, Lombardia e Veneto, vão organizar em 22 de outubro um referendo para pedir maior autonomia ao governo central de Roma.

Publicidade

O governador da Lombardia, Roberto Maroni, anunciou nesta sexta-feira que o seu colega de Veneto, Luca Zaia, aderiu a sua proposta de realizar o referendo.

Leia mais:
Atentado em Paris abala a campanha a 48 horas da eleição na França
Papa Francisco canonizará crianças pastoras de Fátima em 13 de maio
Parlamento britânico aprova antecipação das eleições para junho

Maroni e Zaia são líderes da Liga do Norte, partido contrário à migração e ao euro, e conhecido no passado por proclamar a "independência" da Padania, uma região imaginária em torno do rio Po, ao norte da península.

A pergunta a ser submetida ao voto é se os cidadãos de ambas as regiões querem mais autonomia do governo central em áreas como os impostos.

"Você deseja transferir menos dinheiro de seus impostos para outras regiões italianas?", poderia ser a questão que indiretamente critica os recursos aportados para as regiões menos ricas.

De acordo com a imprensa italiana, a soma poderia exceder 70 bilhões de euros por ano em impostos da Lombardia, região que produz um quarto do PIB da Itália, e Veneto.

Se vencerem o referendo, os dois governadores sairiam fortalecidos politicamente, em um momento delicado para a Europa com o crescimento de movimentos anti-migratórios.

O norte da Itália, reduto da Liga do Norte, é considerado como a região rica e industrializada que mantém os mais pobres do sul da península, por isso exige uma mudança do sistema administrativo.

Leia todas as notícias de Mundo

– Ao invés de gastarem quase 50 milhões de euros para organizar um referendo consultivo, poderiam pedir ao governo um debate sobre a questão –, comentou o ministro da Agricultura, Maurizio Martina.

Compartilhar:

Publicidade