Delação da JBS

Roberto Freire diz que PPS vai continuar apoiando o governo Temer

Sobre sua saída do Ministério da Cultura, político disse que a decisão foi inevitável 

Por Agência Brasil
19/05/2017 - 21h10min
Compartilhar:
Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados

Após deixar o Ministério da Cultura, o deputado federal Roberto Freire (PPS-SP) reassumiu nesta sexta-feira (19) a presidência nacional do PPS e reafirmou que seu partido vai continuar apoiando o governo do presidente Temer e as reformas da Previdência e trabalhista, ambas propostas pelo Executivo. Ele justificou a saída do ministério pelo fato de Temer não ter renunciado como foi sugerido pelo PPS. Segundo ele, o partido nunca se furtou em votar as reformas "que representam avanços para o país".

Publicidade

— O partido continua na sua luta pelas reformas que signifiquem avanços e garantam um melhor desempenho do próprio governo e da nossa economia. Nesse sentido, o partido continua firme apoiando as reformas desse governo de transição que também possui o nosso apoio — disse Freire.

Leia mais
ÁUDIOS: Ouça a íntegra da gravação do diálogo de Temer e dono da JBS
Quais são os possíveis cenários se Temer cair e quem pode sucedê-lo
Mercado financeiro: Seis olhares sobre o futuro da crise e do Brasil

Sobre sua saída do ministério, Freire disse que a decisão foi inevitável. 

— É bom que o PPS compreenda que eu, por divergência na condução do processo, inclusive em função da crise desses últimos dias por conta do processo de delação que atingiu a figura do presidente da República, não tive alternativa. O afastamento (do Ministério da Cultura) se impunha.

Na quinta-feira (18), o presidente em exercício do partido, Davi Zaia, divulgou nota afirmando que a legenda havia deixado a base aliada do governo. Na nota, o partido disse que, diante da delação premiada "de sócios da JBS envolvendo o presidente Michel Temer e da gravidade da denúncia", decidiu deixar o governo federal.

No vídeo divulgado nesta sexta-feira, Freire disse que o PPS não rompeu com o governo e que o ministro da Defesa, Raul Jungmann, que é da legenda, vai continuar na pasta. 

— Não nos afastamos e nem rompemos com o governo — disse. 

— O partido admitiu a presença e continuidade do ministro da Defesa em função de ser uma área sensível. Dito isso fica esclarecido toda a nossa posição: continuamos sendo o partido das reformas apoiando a da Previdência, trabalhista e todas aquelas propostas pelo governo de transição para preparar o Brasil para 2018.

Reforma da Previdência

O texto da reforma da Previdência aguarda a votação no Plenário da Câmara. O relator da proposta, Arthur Maia (BA) é do PPS. Diante da crise envolvendo o governo, Maia disse que "não há espaço" para avançar no tema.

— Certamente, não há espaço para avançarmos com a reforma da Previdência no Congresso Nacional nessas circunstâncias — diz Maia. 

— É hora de arrumar a casa, esclarecer os fatos obscuros, responder com verdade a todas as dúvidas do povo brasileiro, punindo quem quer que seja, mostrando que vivemos em um país em que a lei vale para todos.

Leia as últimas notícias sobre a delação da JBS


Compartilhar:

Publicidade