Reconstrução

À espera de Pottker e de Cirino: quem deve formar o ataque do Inter enquanto eles não chegam?

Mesmo sem contar com os dois novos reforços, Zago ainda não definiu o ataque titular do Inter para o começo do ano 

Por Leandro Behs
17/02/2017 - 15h41min
Compartilhar:
Foto: Ricardo Stuckert / CBF / CBF

O ataque dos sonhos no Beira-Rio para a disputa da Série B tem Marcelo Cirino e William Pottker como dupla. Cirino tem acerto encaminhado com o Inter e deverá ser apresentado na próxima semana. Pottker (na foto, premiado como o goleador do Brasileirão 2016) foi comprado à Ponte Preta e desembarcará no Beira-Rio assim que o clube deixar o Paulistão.

Publicidade

Enquanto Cirino e Pottker não vestem vermelho, Antônio Carlos Zago vai testando alternativas no ataque. Nas seis partidas da temporada até aqui, o treinador utilizou sete jogadores diferentes no setor. Roberson foi quem mais teve chances: disputou cinco partidas — e não marcou gol. Nico López, Diego, Brenner, Valdívia, Carlos e Aylon (que deverá ser emprestado pelo Inter ao Goiás, seu adversário na Série B) também entraram no rodízio. O argentino Ariel não recebeu chances.

Leia mais:
Inter confirma contratação do atacante William Pottker
Leonardo Oliveira: quem é Harry Pottker?
Zago vê pênalti para o Princesa do Solimões no confronto com o Inter: "Lógico que foi, vi na televisão"

Quando escalou o Inter com dois atacantes, Zago parecia ter uma preferência por Nico e Roberson, mas o uruguaio não consegue ficar saudável, desfalcando o time constantemente devido a desconfortos musculares. Técnico de Roberson e de Brenner no Juventude, Antônio Carlos optou por começar o ano com o primeiro. Mas Brenner marcou dois gols nos dois jogos que disputou.

— Zago ainda está experimentando jogadores e um sistema de ataque. Precisa definir os nomes ou ao menos fixar uma ideia de jogo para o setor — comentou Fabiano Souza, ex-atacante do Inter. — Em 1997, Celso Roth fez o chamado vestibular para centroavante do Inter. Eu era um dos atacantes e precisava de um parceiro. Christian, Washington, Alberto e Robgol disputavam uma vaga. Deu Christian e formamos uma grande parceria. Zago precisa fazer o mesmo: definir logo quem serão os atacantes, pois em duas semanas já haverá Gre-Nal (no dia 4). E a torcida está com pouca paciência, o que sempre acaba tirando um pouco da confiança dos jogadores — acrescentou.

Curiosamente, com Brenner em campo, o ataque do Inter teve 100% de aproveitamento. Na vitória por 2 a 1 sobre o Brasil-Pel, ele jogou ao lado de Nico. E ambos marcaram. No segundo tempo do jogo contra o Princesa do Solimões, Zago trocou o ataque para o segundo tempo, mandando a campo Valdívia e Brenner. Resultado: 2 a 0. Um gol para cada um dos atacantes.

— Carlos chegou há pouco, mas ainda tem que provar muito. O Inter não tem um matador. Tem vários "segundo atacantes", mas ainda falta um camisa 9 de verdade. Os garotos têm tudo para crescer, mas o Inter precisa de alguém decisivo para ontem. Um Luís Fabiano, por exemplo — sugeriu Sandro Sotilli, ex-atacante colorado.

Maior artilheiro da elite do Campeonato Gaúcho, com 111 gols, Sotilli entende ainda que o momento de pressão vivido pelo Inter pede que Zago escale os atacantes mais experientes:

— Nesse momento difícil, o Iter precisa de um cara consagrado. Não tem. Mas Nico e Valdívia são os mais cascudos para o serviço. São dois atacantes de velocidade, não são centroavantes, mas são os mais preparados para este começo de ano.

Enquanto os novos reforços não chegam, Zago precisa definir um ataque. Mesmo que provisório.

Os atacantes de Zago em 2017

Roberson — cinco jogos e nenhum gol

Nico López — três jogos e dois gols

Diego — três jogos e nenhum gol

Brenner — dois jogos e dois gols

Valdívia — dois jogos e um gol

Carlos — dois jogos e nenhum gol

Aylon — dois jogos e nenhum gol

* Ariel não foi utilizado e Eduardo Sasha voltará a jogar somente ao final de abril 

* ZH ESPORTES

Compartilhar:

Publicidade