Expectativa 7x1 realidade

Para compensar frustração com a Copa, Porto Alegre aposta em turismo de negócios e de saúde

Busca por tratamento médico atraiu 4,2 mil pessoas em 2015 e 7 mil no ano passado

Por Marcelo Gonzatto
15/07/2017 - 10h01min
Compartilhar:

A frustração com o legado econômico e social da Copa pode ser compensada, nos próximos anos, com a aposta de Porto Alegre no turismo voltado a negócios e saúde — a procura por tratamento médico atraiu 4,2 mil pessoas em 2015 e 7 mil no ano passado. Em 2019, a cidade vai receber o Congresso Brasileiro de Cardiologia com expectativa de 7 mil participantes.

Publicidade

A construção de um novo centro de eventos, antigo anseio de empresários e comerciantes locais, daria um impulso significativo a essa estratégia. Conforme a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, o município analisa o melhor local para receber a estrutura e buscar recursos. O centro poderá ser erguido por meio de uma parceria público-privada.

— Somos uma cidade consolidada no turismo de negócios. Em 2015, esse setor gerou R$ 20 milhões em impostos e 3,8 mil empregos diretos. Ano passado, fomos a quinta cidade do país com maior número de eventos internacionais — diz o diretor de Turismo de Porto Alegre, Roberto Snel.

Leia mais:
Por que a realidade perdeu de 7x1 para a expectativa em Porto Alegre
Trabalhadores já esqueceram o inglês e bares abandonaram cardápios bilíngue
A
s gaúchas que foram viver com australianos que conheceram em 2014

Mas a cidade também perdeu espaço nesse setor depois da Copa. Segundo pesquisa de demanda turística divulgada pelo governo federal nesta semana, 3,5% dos estrangeiros que vieram ao Brasil a negócios passaram por Porto Alegre no ano passado. A cifra é inferior aos 3,6% registrados em 2015 e aos 4,4% de 2014. No mesmo período, Florianópolis, que não recebeu jogos da Copa, saltou de 1,7% para 2,3%.

Para Roberto Snel, a população também tem um papel a cumprir no resgate da autoestima e do turismo. Para ele, muitos moradores reclamam da falta de atrativos da cidade, mas na verdade não os conhecem por não viver a Capital:

— As pessoas dizem que não há o que fazer em Porto Alegre, mas nunca andaram na Linha Turismo ou no Cisne Branco, não frequentam os museus. Temos de amar e vender a nossa cidade, em vez de fazer o antimarketing.

Compartilhar:

Publicidade