Opinião

Leonardo Oliveira: o Grêmio é melhor do que o Botafogo, mas isso não quer dizer nada

Clube carioca tem estilo parecido com o do Grêmio  dos anos 1990

Por Leonardo Oliveira
12/08/2017 - 08h02min
Compartilhar:
Foto: Mateus Bruxel / Agencia RBS

O Grêmio é melhor do que o Botafogo. Aliás, o Grêmio é o melhor entre todos os times no Brasil neste momento. Não me refiro à frieza dos números da tabela. Me refiro a rendimento, a qualidade e a futebol vistoso, de um time que sabe como se mover em campo. Isso tudo indicaria o sucesso gremista contra o Botafogo, na Libertadores, e Cruzeiro, na Copa do Brasil, certo? Errado, totalmente errado. Por que no futebol ser o melhor não garante a vitória.

Publicidade

Leia mais:
Volante do Botafogo brinca sobre situação de Luan: "Tomara que ele vá"
Botafogo x Grêmio: tudo o que você precisa saber para acompanhar a partida 

Me detive desde quinta-feira a analisar e conhecer mais esse Botafogo. Posso dizer sem medo de errar que o Grêmio é muito melhor do que ele. Mas se trata do time carioca menos carioca na história recente do futebol. E esse é o segredo de Jair Ventura. O Botafogo compensa suas limitações com entrega, energia, disposição e uma intensidade comovente em todos os jogos. Está aí o perigo para o Grêmio.

Para avançar na Libertadores, o Grêmio de Renato precisará buscar no fundo do armário o DNA que fez do clube um modelo copeiro nos ano 90. Para ganhar desse Botafogo, é preciso correr mais e suar mais do que ele. Jogar mais e ser melhor, aviso aqui, será insuficiente. Será preciso transpirar mais e comover mais. Nada do que o Grêmio não saiba fazer e até já tenha feito em alguns jogos com Renato. Essa veia castelhana está numa gaveta da memória do time. É só dar o comando e colocar para funcionar.

Uma pena que esse ensaio de domingo não nos permita tirar uma febre de como será o confronto entre dois times que tem formação tática e até jogadores de características parecidas, mas que quando entram em funcionamento usam caminhos diferentes para construir suas vitórias. Culpa do nosso calendário, que coloca o Brasileirão bem no meio de duas decisões de mata-mata, pela Libertadores e pela Copa do Brasil. Aliás, não é graça que esses dois times estão na fase quente duas competições. 

Compartilhar:

Publicidade