Porto Alegre

Ecobarreira no Dilúvio já impediu que mais de 140 toneladas de lixo chegassem ao Guaíba

A cada semana, cerca de 350 quilos de resíduos são retirados de estrutura instalada em março de 2016

Por Zero Hora
27/01/2017 - 12h13min
Compartilhar:
Foto: Jéssica Rebeca Weber / Agência RBS

Desde que foi inaugurada, em março de 2016, a Barreira Ecológica no Arroio Dilúvio já evitou que 141 toneladas de resíduos fossem parar no Guaíba. O número foi contabilizado em janeiro pelo Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU) e pela Safeweb, empresa que idealizou e executou a iniciativa.

Publicidade

Milhares de garrafas plásticas, sacos, pedaços de madeira e outros resíduos foram impedidos de seguir o curso das águas pelo equipamento instalado entre as avenidas Borges de Medeiros e Edvaldo Pereira Paiva.

Cerca de 350 quilos de lixo são recolhidos da Ecobarreira semanalmente, de acordo com a Safeweb. Após a coleta, o lixo é descartado pelo DMLU no aterro sanitário. Como todos esses resíduos recolhidos estão poluídos pela água do Dilúvio, não podem ser reciclados.

Veja também:
Jovem músico Weslei recebe convite para estudar em conservatório de Genebra
Obras na BR-116 deixam trânsito lento na saída da Capital

A empresa está em busca de parcerias para ampliação do projeto. A ideia é implantar novas tecnologias na ecobarreira, e ainda, construir outras em diferentes pontos de entradas de lixo no Guaíba.

Construída com garrafas PET, estrutura flutuante recebeu mudas de capim-vetiver, cujas raízes submersas devem dar mais resistência à barreira e também ajudar a filtrar a água. A obra teve o custo de R$ 250 mil, bancados pela Safeweb.

Compartilhar:

Publicidade