Obra parada

Paradas há pelo menos 15 dias, obras de ciclovia na Avenida Goethe causam transtornos 

Donos de estabelecimentos comerciais e passageiros de ônibus reclamam do bloqueio junto ao meio-fio no trecho próximo à Rua Dona Laura 

Por Marina Pagno
01/08/2017 - 16h58min
Compartilhar:
Foto: Marina Pagno / Agência RBS

A demora na construção de uma ciclovia na Avenida Goethe vem gerando transtornos a moradores e comerciantes da região do Moinhos de Vento, em Porto Alegre. As obras começaram no início de junho em dois trechos, próximo às ruas Dona Laura e Vasco da Gama, mas há pelo menos 15 dias as máquinas estão paradas e não se vê um operário trabalhando no local.

Publicidade

No trecho entre a Ruas Mostardeiro e Dona Laura, em direção à Ipiranga a ciclovia está sendo construída junto à calçada. O asfalto já foi raspado e, por isso, a faixa da direita está bloqueada, isolada por cones e uma tela de proteção. Ao lado do canteiro de obras, o comércio da região reclama dos transtornos provocados pelos trabalhos parados, como problemas de mobilidade, sujeira e reclamações de clientes. Além de bloquear a entrada principal do estabelecimento, parte da calçada foi destruída para a colocação da ciclovia, reclama o gerente de uma lanchonete.

— Olha, há uns 20 dias ninguém trabalha. Até veio um pessoal aí, deu uma olhada, mas nada que avançasse a obra. Hoje, com essa parte bloqueada, os clientes não conseguem estacionar aqui na frente depois das 20h. Além da faxina dobrada que a gente tem que fazer por causa da sujeira — relatou Dimas Ficagna.

Leia mais
Moradores da Vila Ipiranga reclamam de falta de capina em praça
Boneco é usado para chamar atenção para buraco na Baltazar
Lixo espalhado nas calçadas atormenta moradores do Centro

Outro problema causado pelas obras na ciclovia foi a remoção da parada de ônibus que ficava na Goethe, entre a Mostardeiro e a Dona Laura. O ponto foi deslocado para o Parcão.

— Tiraram a parada de ônibus ali na frente e, de uma forma, ela dava público para mim, porque as pessoas vinham, compravam um cafezinho, um Salgado, enquanto esperavam o ônibus. Comercialmente, para mim, está sendo ruim — lamentou Egon Schuller, dono de uma cafeteria.

— Isso é um edifício comercial, as pessoas vem aqui com andador, cadeira de rodas e as obras paradas e bloqueadas prejudicam a entrada. Já vi idosos caírem e se machucarem quando não havia proteção no trecho — relatou o zelador de um prédio da região, Ademir André Azambuja da Silva.

Obra vem afetando o trânsito

Motoristas que costumam passar pela Avenida Goethe e Mariante também reclamam do andamento dos trabalhos nas vias, já que, mesmo com as obras paradas, o trânsito permanece parcialmente interrompido. Entre as ruas Mariante e Dona Laura, há bloqueio na faixa da direita, em direção à 24 de outubro. Mais à frente, a ciclovia está sendo construída no canteiro central, entre as ruas Liberdade e Castro Alves, se conectando à ciclofaixa já existente na Rua Vasco da Gama, o que causa seguidos congestionamentos na região nos horários de maior movimento.

Em julho, Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) afirmou que as obras da ciclovia tiveram que ser paralisadas devido a um problema encontrado na rede pluvial da região. Em contato realizado na terça-feira (1º), a EPTC disse à reportagem que "a obra foi interrompida pela necessidade de ensaios de solo complementar para execução de uma nova faixa veicular prevista no canteiro central da via". Segundo a EPTC, as obras em ambos os trechos serão retomadas nesta quarta-feira (2).

A construção da ciclovia da Goethe é financiada por meio de uma contrapartida com as Lojas Renner e faz parte do Plano Diretor Cicloviário de Porto Alegre. O prazo para término dos trabalhos, que foram iniciados em 7 de junho, é de 90 dias.

Compartilhar:

Publicidade