Dureza no orçamento

O Brasil entre a alta de impostos e um megacorte de R$ 65 bilhões

"Na quarta-feira, governo deve comunicar decisão sobre risco de elevação de algum tributo para tentar compensar buraco no orçamento

Por Marta Sfredo 20/03/2017 - 18h44min · Atualizada em 20/03/2017 18h44min
Compartilhar:

Nas vésperas da decisão que tira o sono da economia brasileira – o risco de alguma elevação de tributos para fechar o buraco do orçamento –, o governo anunciou a decisão de cortar despesas entre R$ 60 bilhões e R$ 65 bilhões. 

Publicidade

Neste momento de aperto geral, o supercorte é um banho de água fria, mas menos danoso, pelos mesmos motivos, do que aumento de alíquota de algum tributo – impostos, contribuições ou taxas. Executar uma poda deste tamanho não ajudará a elevar as perspectivas que começavam a se desanuviar. Mesmo que o corte seja anunciado e comece a ser implementado, pode ser reduzido caso o governo decida de fato elevar cobranças ainda neste ano – seja de receitas esperadas e não garantidas, seja de impostos. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles tem passado os últimos dias "naturalizando" a ideia.

Leia mais
Mercado ignora os riscos embutidos na segunda Lista de Janot
"PIB positivo, só em julho", avalia Celson Placido
PIB pode ser positivo no primeiro trimestre e não representar fim da crise

Desde a semana passada, o ministro vem avisando que a iniciativa não está descartada. Depende apenas de "fechar cálculos", como afirmou Meirelles na quarta-feira passada:
– Qualquer anúncio nesse sentido (de aumento de tributos) vai ser feito apenas no dia 22 porque, aí sim, os cálculos estarão finalizados.

Amanhã, portanto, será dia de enfrentar uma conta dolorosa, seja no formato de um megacontingenciamento, com efeito forte, mas indireto, seja de impacto direto, com drenagem ainda maior do que os empresários brasileiros costumam chamar de "maior sócio", a carga tributária.É nesse clima que a proposta de simplificação da aplicação de PIS e Cofins que o governo deve apresentar, também nos próximos dias, vem cercada de desconfianças sobre elevações na cobrança líquida.

Leia outras informações da coluna de Marta Sfredo   

Compartilhar:

Publicidade

Últimas