Painéis de Xico Stockinger podem estar correndo risco de deterioração
A ferro e fogo

Painéis de Xico Stockinger em Porto Alegre correm risco de deterioração

Segundo Carlos Tenius, autor do Monumento aos Açorianos, suposto erro na limpeza pode causar dano definitivo à obra

19/05/2017 - 21h23min · Atualizada em 19/05/2017 21h32min
Compartilhar:

Em 2015, a Secretaria Municipal da Cultura retirou a tinta que cobria os painéis de Xico Stockinger na Praça Dom Sebastião, em Porto Alegre. A justificativa: o aço usado era do tipo corten, feito para acumular ferrugem, sem risco de dano definitivo à obra.

Publicidade

O artista plástico Carlos Tenius discorda. Amigo próximo de Stockinger à época, acompanhou parte do processo de produção e faz a ressalva: o material utilizado não é do tipo citado.

Leia também
O presidente, figura mais visível do tabuleiro, atrai para si a revolta contra o jogo
A renúncia de Michel Temer não é assunto encerrado
Os Batistas e o BNDES: depois de Eike, Joesley

Autor do Monumento aos Açorianos, Tenius conta que, em, 1974, ano em que produziu a obra, teve que importar as chapas de aço corten de Minas Gerais, pois não era possível encontrá-las em Porto Alegre. Assim, seria impossível que os painéis de Stockinger, realizados em 1972, fossem feitos do material. 

– Eu posso afirmar com certeza absoluta que aquele aço não é não-corrosivo – defende.

O Monumento aos Açorianos, por outro lado, foi produzido com aço cortenFoto: Robinson Estrásulas / Agencia RBS

A preocupação é que o suposto erro na avaliação comprometa um importante patrimônio público. Para o artista, o procedimento correto para recuperar a peça seria remover a ferrugem e pintar com uma camada de tinta zarcão e outra de tinta à base de grafite. 

A Coordenação da Memória Cultural da Secretaria mantém sua posição.

Leia outras colunas de Tulio Milman

Compartilhar:

Publicidade

Últimas