Promessa

 Ministério Público de Contas pede que prefeitura de Triunfo seja proibida de nomear novos CCs

Argumento utilizado no pedido ao Tribunal de Contas do Estado é que criação de novos cargos ocorreu sem estudo do impacto financeiro

Por Adriana Irion
17/03/2017 - 16h24min
Compartilhar:

Publicidade

O Ministério Público (MP) de Contas pediu ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), nesta sexta-feira, para que proíba o município de Triunfo não realizar nomeações para os 63 cargos de comissão (CCs) aprovados no último dia 6 pela Câmara de Vereadores. Pede ainda que a prefeitura exonere os novos funcionários, caso já tenham ocorrido nomeações.

Um dos argumentos do MP de Contas para solicitar a medida é a suspeita de que a criação de novos CCs e também funções gratificadas (FGs) tenha ocorrido sem o devido estudo de impacto financeiro.

Leia mais
Prefeito e vice de Triunfo serão investigados pelo MP Eleitoral
Ex-candidato e prefeito firmaram contrato para troca de apoio por CCs na eleição em Triunfo
PF prende secretários e ex-prefeito de Triunfo

Os cargos foram aprovados em sessão da Câmara de Vereadores no dia 6, sob críticas da oposição e da população. Zero Hora solicitou à prefeitura há quatro dias a informação sobre o impacto financeiro da medida, mas não obteve retorno.

Esta semana, a Procuradoria Regional Eleitoral de Porto Alegre abriu investigação em relação ao prefeito, Valdair Gabriel Kuhn, o Belô (PSB), e ao vice-prefeito, Orison Donini Cezar Junior (PSDB), a partir de denúncia de que teriam feito promessa de CCs em troca de apoio para eleição.

O ex-candidato a vereador Jardel Barth depôs e entregou ao Ministério Público Federal um documento que teria sido assinado por Belô e Orison. No documento, constam as promessas de CCs e de comando de uma secretaria. O prefeito e o vice negam a negociação, alegando que o documento é falso.

Procurado por Zero Hora, o vice-prefeito de Triunfo disse que ¿o assunto vai ser analisado pela procuradoria do município¿.


Compartilhar:

Publicidade