Faculdade sob suspeita

Faculdade Gaúcha é nova iniciativa de ex-dirigente do Grupo Facinepe condenado por falsificar diplomas

A instituição de ensino, cujo único proprietário é o advogado Faustino da Rosa Júnior, é investigada pelo MEC por suspeitas de irregularidades

Por José Luís Costa
23/03/2017 - 20h25min
Compartilhar:
Faustino da Rosa Júnior, ex-CEO do Facinepe, é dono da faculdade que adquirida pelo grupo no ano passado
Faustino da Rosa Júnior, ex-CEO do Facinepe, é dono da faculdade que adquirida pelo grupo no ano passado Foto: Divulgação / Facinepe

O advogado Faustino da Rosa Junior, ex-presidente do Grupo Educacional Facinepe/Inepe, sob investigação do Ministério da Educação (MEC) por suspeitas de irregularidades, é sócio-administrador da Unitec Faculdade Ltda, com nome fantasia de Faculdade Gaúcha (FG).

Publicidade

Zero Hora apurou que o grupo Facinepe comprou a FG no começo de 2016. A informação de que Faustino é sócio-administrador da FG consta no registro do CNPJ no site da Receita Federal, com endereço no escritório de advocacia dele na Avenida Carlos Gomes, na Capital.

A FG foi aberta em 2010 e agora tem Faustino como sócio-administradorFoto: Reprodução / Receita Federal

Conforme dados do MEC, a FG foi credenciada em maio de 2014, com validade de três anos em nome da Unitec Faculdade Ltda, com sede na Rua Pinto Bandeira, em Porto Alegre. Além do credenciamento, a FG foi autorizada a oferecer dois cursos de graduação presenciais — Licenciatura em Pedagogia e Tecnologia em Processos Gerenciais.

Antes de fechar as portas, a faculdade funcionou por cerca de dois anos no Centro de Porto Alegre.

No site do MEC, o nome de Faustino aparece como coordenador de dezenas de cursos de pós-graduação da FG, entre eles, especialização em cardiologia, em cirurgia da face, em geologia ambiental e em robótica educacional.

Em agosto, a FG anunciou um vestibular "social". O preço da inscrição era um quilo de alimento não perecível, a ser doado para um lar de idosos na Capital. Não houve concurso por falta de interessados. O único candidato foi um empregado do próprio Facinepe que lançou seu nome como forma de testar o sistema de inscrição pela internet.

Hoje, a FG não tem alunos matriculados e busca autorização junto ao MEC para oferta de curso de graduação de educação a distância. O objetivo seria oferecer cursos de graduação e pós-graduação em substituição à Faculdade Centro Sul do Paraná (Facspar), que está com credenciamento vencido no MEC, e também pelo fato de outras duas faculdades do grupo (Inepe e a Facinepe) não serem credenciadas pelo ministério.

Leia mais:
Relatório do MEC detalha suspeitas de irregularidades no Grupo Facinepe
Da fraude ao império: a história do dono da faculdade de papel
Dono de faculdade com credencial vencida emitiu diplomas falsos
MPF investiga propaganda enganosa da faculdade de advogado condenado
Para nova faculdade, condenado por fraude faz obra irregular em Porto Alegre
Condenado por falsificar diplomas, advogado distribui homenagens a famosos

MUDANÇA DE COMANDO

A Faculdade Gaúcha
- Criada em 2011 pelo Centro Educacional Unitec, a Faculdade Gaúcha (FG) funcionava em prédio na Rua Pinto Bandeira, no centro de Porto Alegre.

- Em maio de 2014, após três anos de tramitação de pedidos no Ministério da Educação (MEC), a FG ganhou credenciamento — válido até maio de 2017 —, e autorização para oferecer dois cursos de graduação (Licenciatura em Pedagogia e Tecnologia em Processos Gerenciais). Dois anos depois do começo das aulas, a FG fechou as portas.

- No começo de 2016, o Grupo Facinepe/Inepe comprou a FG, tendo como sócio-administrador Faustino da Rosa Junior, como consta no site da Receita Federal. A FG não tem alunos, mas busca autorização de cursos de graduação na modalidade de educação a distância e oferece 262 cursos de pós-graduação na sede do Grupo Facinepe, na Avenida Bento Gonçalves, na Capital.

CONTRAPONTOS

O que diz o Grupo Facinepe
Zero Hora enviou e-mails sobre o assunto para a assessoria de imprensa do Grupo Facinepe e recebeu como resposta que a empresa "não responde mais pelo senhor Faustino da Rosa Júnior" e que "qualquer questionamento a respeito dele, deve ser tratado diretamente com a sua assessoria jurídica".

O que diz Faustino da Rosa Junior
ZH remeteu e-mail para o advogado Jorge Sobbe, defensor de Faustino, mas não obteve retorno. A reportagem também ligou três vezes para a antiga direção da Unitec, que não retornou às chamadas.

Compartilhar:

Publicidade