Roubo de carros no RS

Conversas de WhatsApp mostram negociação de quadrilha

Conversa registra a negociação travada entre o líder da quadrilha e um receptador goiano  para venda de uma S-10 roubada em Porto Alegre

Por Fábio Almeida
09/04/2017 - 22h29min
Compartilhar:
Foto: Divulgação / Polícia Civil

A Operação Macchina Nostra obteve acesso a conversas do aplicativo WhatsApp que registram toda a negociação travada entre o líder da quadrilha, Leonardo Augusto Prestes Cardoso, e o receptador goiano Diego Martins Cunha para venda de uma S-10 roubada em Porto Alegre.

Publicidade

Nos grupos do aplicativo e na internet, Cardoso usa o codinome de Eduardo. Na conversa com Cunha, seu nome no WhatsApp aparece como Eduardo Carros Poa. 

Diego em áudio - Faz essa caminhonete R$ 10 mil? Moço, eu vou "cagar" esse dinheiro aqui mano. Faz a caminhonete R$ 10 mil, aí?

E completa em texto - Faz 10 a camionete?

Leonardo - Capaz mano

Diego implora com emogis de mãozinhas

Leonardo - Se e loko (você é louco)

Diego em áudio - Ô Eduardo, faz pra mim, pelo amor de Deus. Manda foto dessa caminhonete pra mim. Eduardo, deixa eu falar, o motor dessa caminhonete é feito (adulterado), mano?

Leonardo em áudio - Vai ser tudo feito, mano véio, tudo feito.

Foto: Divulgação / Polícia Civil

Diego em áudio - O Eduardo, você tem foto da caminhonete? Que cor que ela é, mano? Ela é a mais completinha? Ela é a LTZ, né? Que ano que ela é? Me passa mais detalhes dela aí.

Leonardo envia foto e uma tela com detalhes do veículo

Diego em áudio - Eduardo, faz a caminhonete 10 (R$ 10 mil) pra mim, aí mano. Ajuda aí também, mano.

Leonardo - Não dá (e repete uma lista de oferta de carros roubados)

Diego em áudio - Eduardo faz a caminhonete pelo menos 10 e meio (R$ 10,5 mil)?

Leonardo em áudio - Não. A caminhonete é 12 pila (R$ 12 mil), não baixa um real. O bagulho é a diesel, automática LTZ. É o sonho de consumo isso aí e daqui a pouco tá vendida.

Diego em áudio

Dá uma força aí patrão. Deixa eu te falar aqui. Deixa eu ver quanto que eu tenho aqui. Qual que é o preço, quanto que é o valor do carro aí? Fala pra mim, um por um aí, os valores.

Leonardo em áudio - Viu ali a lista? Já entrou mais um Elantra, um i30 2016. Ô meu, seguinte, eu tô chegando em casa agora. Daí, vou fazer os valores direitinho. E vamos rezar para que não cai (que não seja recuperado pela polícia), que não tenha bichinho, tá ligado (sem rastreador)? Que tá tudo esfriando já (nos bretes).

Leonardo manda lista com preços

Diego em áudio - Ô Eduardo, deixa te falar mano. Faz o Golf R$ 8 mil pra mim, que vou comprar a passagem hoje. Vou comprar a passagem e te mandar print com a passagem comprada. Se não, você faz 11 (R$ 11 mil) a caminhonete, que eu fico com a caminhonete e compro a passagem hoje também. Quebra essa para nós aí, mano? Tenho que pagar um carinha para ir comigo, um carinha de menor, sabe que tô cismado de andar com de maior estranho.

Leonardo - Não tem como.

Diego em áudio - Ah, faz. É cliente fiel.

Eduardo em áudio - Ô meu, seguinte. Vou fazer 11 e meio (R$ 11,5 mil) a S-10 pra ti. Onze e meio, tá? Vai ou tá com medo? Na boa mesmo, se tu quiser tu me avisa rapidinho que o bagulho a diesel vai correndo, tu sabe. Depois te deixo na mão aí. Daí, não fica chateado.

Diego em áudio - Deixa te falar aqui, véio. Se der certo de arrumar esse dinheiro tudo dessa caminhonete aí, dá para fazer mais perto para cá (o emplacamento clonado)? Mato Grosso, Minas Gerais, algum lugar assim?

Eduardo - Posso ver.

Diego em áudio - Ah, você que manda meu brother, você que manda. Podia ser mais um pouquinho perto da minha cidade, aqui. Mais perto do meu Estado.

Leonardo - Pode ser quitada. Daí é mais fácil. Colo placa de onde você quiser.

Diego em áudio - Aqui é mais Brasília, mano. Será que não acha Mato Grosso, Minas Gerais, Uberlândia, Tocantins?

Leonardo - Goiás, Brasília, tá eu vou ver porque é ruim de ter o lacre.

Diego em áudio - Beleza, beleza, vê aí, vê aí, qualquer coisa manda o que tiver aí, mano. Mas daí, capricha aí. Deixa te falar, motor vocês fazem aí também, né?

A negociação só terminou dia 24 de novembro. Diego ainda enviou fotos do dinheiro para Leonardo. No dia seguinte, ele pegou um voo de Goiás para Porto Alegre com a família, a filha bebê e a mulher. Pegou a S10 que estava estacionada no aeroporto Salgado Filho e tomou o caminho de volta, mas foi abordado pelos policiais à noite, quando parou em um posto de combustíveis, às margens da BR-101, em Osório.

Foto: Divulgação / Polícia Civil


Compartilhar:

Publicidade