Contas públicas

Susepe não planeja retomar a guarda do Presídio Central e da Penitenciária Estadual do Jacuí

Projeção é de que seriam necessários 1.325 novos agentes penitenciários para substituírem os policiais militares atualmente empregados na Operação Canarinho, criada 22 anos atrás

Por Eduardo Torres
19/04/2017 - 14h33min
Compartilhar:
Foto: Ronaldo Bernardi / Agencia RBS

A presença da Brigada Militar como responsável pela segurança interna do Presídio Central, em Porto Alegre, e da Penitenciária Estadual do Jacuí (PEJ), em Charqueadas, que já perdura há 22 anos, não tem perspectiva de terminar. A Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe), pelo menos, não tem em seus planos a retomada da responsabilidade pelas duas casas prisionais, que exigiriam um acréscimo de 1.325 agentes penitenciários. E a razão é econômica.

Leia mais
"É só questão de o Estado criar condições para a Brigada Militar sair das cadeias", diz comandante-geral
Gambiarra no lugar do salário
Em seis anos, RS pagou R$ 82,2 milhões em diárias para PMs em presídios


Mesmo que reportagem de Zero Hora desta semana tenha demonstrado que, a cada ano, a Susepe paga mensalmente cerca de R$ 1 milhão em diárias ininterruptas para os PMs designados à força-tarefa dos presídios, substituí-los, projeta a superintendência, custaria pelo menos R$ 5 milhões mensais. O cálculo não leva em conta o prejuízo de 1,5 mil policiais fora da segurança nas ruas.

A Susepe não se manifesta oficialmente sobre o assunto, por não considera-lo concreto. Há uma projeção técnica interna, porém, de que seriam necessários 925 novos agentes penitenciários para trabalharem no Presídio Central, e outros 400 para a PEJ. 

As 700 vagas a serem preenchidas pelos aprovados no concurso realizado no último dia 9 serão destinadas, praticamente na sua totalidade, à abertura das duas unidades da Penitenciária Estadual de Canoas, que hoje opera apenas com um módulo.

Publicidade

Compartilhar:

Publicidade