Investigação

MPF pede a Moro que determine prisão de ex-diretor da Petrobras por mentir em delação

Força-Tarefa da Lava-Jato afirma que depoimentos de Paulo Roberto Costa e sua filha revelaram contradições

Por Estadão Conteúdo
17/02/2017 - 10h25min
Compartilhar:
Foto: Geraldo Magela,Agência Senado / Divulgação

A força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba pediu ao juiz Sérgio Moro que não aplique os benefícios dos acordos de colaboração premiada de Paulo Roberto Costa e seus familiares, pois eles mudaram partes de suas versões sobre a destruição e retirada de documentos do escritório da Costa Global no dia em que o ex-diretor foi detido pela Polícia Federal, ainda no começo da Lava-Jato, em 20 de março de 2014. A informação foi revelada nesta quinta-feira pelo site Buzzzfeed.

Publicidade

Leia mais
Delator da Andrade Gutierrez levou PF ao esquema de Lobão
"Obviamente que não acredito", diz Tarso sobre propina que Lula teria recebido
"Uma ação de autodefesa do sistema político", diz Randolfe Rodrigues sobre PEC da blindagem

"Restou, portanto, demonstrado que Paulo Roberto Costa, Ariana Azevedo Costa Bachmann (filha) Marcio Lewkowicz (genro) e Shanni Azevedo Costa Bachmann (filha) faltaram com a verdade por diversas vezes quando de seu interrogatório judicial, em evidente descumprimento dos deveres impostos pelos acordos de colaboração premiada que celebraram com o Ministério Público Federal e foram homologados pelo Supremo Tribunal Federal", afirmam os procuradores nas alegações finais encaminhadas ao juiz da Lava-Jato no dia 7 de fevereiro.

Diante disso, o MPF pede que seja "desconsiderada na sentença a aplicação dos benefícios previstos nos acordos de colaboração premiada celebrados com o Ministério Público Federal".

Como o acordo foi firmado perante o Supremo Tribunal Federal, cabe somente à Corte decidir se anula ou não os termos da colaboração, o juiz Moro, contudo, pode decidir na sentença não aplicar os benefícios previstos no acordo caso entenda que ele foi desrespeitado.

Mesmo que venha a ser cancelada a colaboração, os depoimentos dos colaboradores que apontam irregularidades e não possuem contradições continuarão podendo ser utilizados para a investigação. Dentre os benefícios que Paulo Roberto Costa e seus familiares conseguiram com o acordo está a substituição da prisão em regime fechado pelo cumprimento de penas em regime aberto domiciliar, além da suspensão de outras investigações depois que eles forem condenados.

Dentre as contradições que foram constatadas entre os depoimentos prestados nos acordos e os interrogatórios perante o juiz Moro, está o que Costa alega que não existiam contas mantidas por ele em nome de seus parentes. Suas duas filhas acabaram se contradizendo a respeito disso.

Em seu acordo, Shanni Azevedo disse que seu pai havia pedido a ela e a seu marido os passaportes para poder abrir uma conta nas Ilhas Cayman para o casal e também sua irmã e seu cunhado..

Leia as últimas notícias de Política

Compartilhar:

Publicidade